terça-feira, 11 de março de 2008

Sobre LOu Kaisen ou...

De uma poetiza que, se nascida a tempo, moraria nos manuais, e seria investigação certa de gerações e gerações de literatos, filósofos, vestibulandos, graduandos e artistas; além de nós, meros mortais comuns, é claro.


Quem silencia....não sabe que cria,no outro silêncio?
O meu silêncio é teu silêncio que bate frio
Na porta.Fechada para silêncios.
Quando é o silêncio que se insinua...
É que a palavra ficou sem fala.
Silêncio acalma.Silêncio afasta.Silêncio mata.
Ou diz...tudo o que o outro não quer dizer.
Quem sabe nada há para ser dito?
Silêncio é isso....um mundo de possibilidades.
Silenciosas.

Um comentário:

heloisa disse...

Deixo para este enigmático amigo...a responsabilidade total dos seus elogios.Rs*
Como já falei,a ele,se aceito as crícas,pq não os elogios?
Aceitos e agradecidos,Yan.
Quem dera meu verso chegasse até onde eu o sonho.
Grata outra vez.Um beijo.LOu